Sinopse Voltar

O Bobo e a sua Mulher Esta Noite na Pancomédia-Sala Azul


Data de Estreia: 2003-12-16

O Bobo e a sua Mulher Esta Noite na Pancomédia

Autor: Botho Strauss


Versão: João Lourenço | Vera San Payo de Lemos

Dramaturgia: Vera San Payo de Lemos

Música: Eurico Carrapatoso

Cenário: João Mendes Ribeiro

Figurinos: Bernardo Monteiro

Coreografia: Né Barros

Luz: João Lourenço | José Álvaro Correia

 
Encenação: João Lourenço


Interpretação: Ana Brandão | Ana Paula Almeida | Ana Miranda | André Nunes | António Cordeiro | Canto e Castro | Carla Chambel | Carlos Pisco | Célia Alturas | Frederico Santos | Joana Fartaria | João Reis | Kjersti Kaasa | Luís Alberto | Miguel Damião | Miguel Romeira | Miguel Sá Monteiro | Nádia Santos | Patrícia Bull | Sara Cipriano | Sílvia Balancho | Sofia Borges | Tiago Barbosa | Victor d’Andrade

Co-Produção com o Teatro Nacional São João

Sinopse

Num dos muitos espaços do grande Hotel Confidence, há uma escritora que faz uma leitura pública do seu romance inédito e um editor que se dispõe a promover a sua obra presente e futura. Contudo, a paixão pela literatura não chega para pôr o livro a circular e fazer algum negócio. Será preciso bater a muitas portas, avaliar uma diversidade de pessoas e situações, sofrer reveses e seguir em frente usando alguma estratégia de persuasão. Em torno da história da escritora Sílvia Kessel e do editor Zacarias Werner, gira o mundo do grande hotel, onde todos estão de passagem e convivem sem compromisso: recepcionistas, porteiros da noite, criados e criadas, rapazes do elevador, detectives, candidatas a modelos fotográficos, homens de negócios, gente solitária, pares em crise, artistas de variedades, um anjo, uma fada, criaturas híbridas e seres esquecidos de um passado histórico ou mitológico mais ou menos remoto.


CRÍTICAS
 

“…interessante e inteligente…” – 3/01/2004 – Expresso Cartaz (João Carneiro)

“ Não há palavras…faltam os adjectivos. Supremo, divinal, transcendente…” – 22/01/2004 – Notícias da Amadora (José Gil)

“…sem a mínima hesitação, evitando qualquer erro artístico ou técnico, numa vertigem de mutações deliciosas.”; “…excelente cenografia …” – 7/01/2004 – JL (Jorge Listopad)

“…um grande elenco…” – 18/01/2004 – A Capital

“...uma obra a não perder…” – 16/01/2004 – Diário de Notícias